27 outubro, 2010

EU QUERO SER LIVRE!!!


Existem 2 posições extremas quanto ao assunto da liberdade cristã:

Liberdade total que é a conhecida  “libertinagem”, acredita que o cristão tem o direito a total independência de atos – inclusive da vontade de Deus; e a 
Liberdade restrita – também chamada de “legalismo” – restringe nossa liberdade, exigindo observância de rituais, preceitos e determinadas formas de congregação e adoração. 



A liberdade, em primeiro lugar, é uma conquista de Cristo para nós, envolvendo uma série de benefícios, gratuitamente ofertados e aceitos pela fé, como: 

liberdade do pecado: Rm 8.2, 1 Jo 2.12

libertação do juízo e da condenação: Rm 8.1

- libertação do mundo e das trevas (cegueira espiritual): Jo 8.12, Ef 5.8
- livres de Satanás e do seu poder: Tg 4.7
- livres da provação mundial futura: Ap 3.10

A liberdade é um dos benefícios da habitação do Espírito Santo 

2 Co 3.17.
                                         "
Ora, o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade."




Observe que liberdade não se confunde com insubmissão – pois somos exortados a ser submissos a Deus –

1 Pe 5.6. 
"Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte"

Não usamos esta liberdade para pecar! 

Rm 6.15
"E daí? Havemos de pecar  porque não estamos debaixo da lei, e sim da graça? De modo nenhum!"

                 Tanto no AT como no NT, liberdade significa libertação da escravidão, seja no sentido sociopolitico [veja o aprisionamento de José Gn 39l 20-23], seja no sentido espiritual [Gl 4. 21 - 5.15], seja a respeito de nossa mortalidade [Hb 2.15].
                Nesse contexto, nossa liberdade - política ou espiritual - depende da iniciativa de Deus [Mq 6.4; Rm 8.2]. Quando Adão e Eva pecaram, Deus foi até eles [Gn 3.8] com a promessa de libertação da maldição do pecado.
                 Essa promessa se cumpriu quando Deus enviou Jesus para ser o caminho para a liberdade eterna [Lc 4.18,19]. Nós não precisamos ser escravos do pecado [Jo 8.34], pois a verdade, isto é, Cristo, pode nos libertar, se aceitarmos o preço da  liberdade [Jo 8.31-32]. Paradoxalmente, somos libertos da escravidão do pecado com um propósito: nos tornarmos "servos" de Deus [Rm 6.22]. Nós estamos livres do nosso julgamento e dos outros [ Rm 5.9] e, ao mesmo tempo livres para servir a Cristo e aos outros [ Gl 5.13-14].
                 Liberdade Final, isto é, ser resgatado da escravidão do pecado, pois o resgate foi pago, é vital para se entender a redenção através do sangue de Cristo [Rm 6.15-23].








Nenhum comentário:

Postar um comentário

  • Bem vindos!

    Minha foto
    "Se da graça e da misericordia de Deus eu viver consciente, se nelas eu crescer e se for grata por elas, minha vida glorificará ao Senhor!"

    "Era a terra sem forma e vazia; trevas cobriam a face do abismo, e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas." Gn 1. 1

    "Saberás que EU sou o SENHOR e que os que esperam em mim não serão envergonhados" Is 49.23b

    Eis que Deus não rejeita ao íntegro, nem toma pela mão os malfeitores. [Jó, 8:20 ]